Seguidores

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Vamos Brincar com a Chica nº 29




Preciosas Lembranças

Acordei nostálgica, comecei a recordar
O tempo em que meu pai criava gado
Adorava ouvi-lo aboiar
Trazendo o rebanho do cercado

Acordava com o galo a cantar
Para o curral depressa corria
Olhava meu pai a vacaria ordenhar
Tomava leite fresquinho todo dia.

As vacas dele eram cuidadas
Com carinho e atenção
Todas elas eram nominadas
Pareciam animais de estimação.

Onde estivessem conheciam seu chamado
Bastava ele gritar: - Amarelinha
De repente um mugido era escutado
Do mesmo jeito era Craúna e Viadinha.

E a cantoria continuava franca
Tangerina, Uberaba, Estrelinha,
Paraíba, Borboleta e Asa Branca
Em busca do meu pai iam depressinha.

Bateu uma forte saudade
Desses tempos de bem aventuranças
Com meus pais tudo era felicidade
Hoje guardo essas preciosas lembranças.

  
Amarelinha a vaca mais obediente do rebanho!

 Tempo de fartura, vaca tranquila a pastar!

Posando com o leiteiro e a vaca!




23 comentários:

Maria Rodrigues disse...

Maravilhosa e poética participação.
Lembranças plenas de nostálgia e amor de tempos de criança.
Beijinhos
Maria de
Divagar Sobre Tudo um Pouco

JAN disse...

Linda e bucólica participação.
Combina com Um Ser Tão Poético ...

ABÇ
JAN

✿ chica disse...

Puxa, Lúcia, que linda poesia e tuas lembranças adoráveis! Gostei dos nomes das vaquinhas... Muito legal tudo e claro, as frases lindas. Tua foto de leiteira, muito legal! Obrigadão ! bjs, tudo de bom,chica( levei o link)

Roselia Bezerra disse...

Olá, querida Lúcia!
A vaquinha amarela é um encanto.... gosto delas depois da cerca, rs...
Quando ia pela casa da tia amada que se foi pro céu, íamos olhar diariamente os bois pastando no morro.... era bom demais! Me dá uma paz tremenda a natureza como um todo...
Seja muito feliz e abençoada!
Bjm de paz e bem

Poesia do Bem disse...

Ah! Que viajei no tempo, meu pai uma época criava gado, lembrava quando minha mãe vendia leite , cedo a casa enchia as pessoas a comprar, a coalhada, o leite morno. Boas lembranças. Hoje nem leite mais podemos tomar, tantas alergias. Boa participação.

Donetzka Cercck L. Alvarez disse...

Que linda e poética sua participação,querida amiga Lúcia.

E falando de sua vida!Deve ter sido maravilhosa! Fotos excelentes!

Adoro seu espaço .Recebi sua atualização e vim rapidinho ver.

Obrigada pelas visitas


Beijos sabor carinho e uma noite de quarta_feira de paz e alegrias

Donetzka

Sileni Machado disse...

Que belos momentos relembrados em poesia, amei!
Amei também os nomes das vacas, rsrsrs.
Bjs de bom dia! ❤️❤️

emanuel moura disse...

Belíssima participação querida amiga, gostei muito, muitos beijinhos no coração felicidades

maria claudete ferreira herculano batista disse...

Ah! amiga... Você me fez lacrimejar e fazer valer o ditado" A gente era feliz e não sabia", ão lembranças que nos mostram o valor de nossas raízes e como era bom ! Essa é a verdadeira "Era da Inocência!" Obrigada viu?

Gracita disse...

Oi Lucia minha querida
Sabe que viajei nas tuas palavras e pude por deliciosos momentos reviver os dias gloriosos de minha infância. E como disse a Claudete: Éramos tão felizes! E hoje são lembranças preciosíssimas. Comovente as tuas doces recordações. E as frases retratam com fidelidade a vida bucólica do campo. Lindooooo!!!
Beijos

Jack Lins disse...

Que linda participação.
A infância é mesmo uma fase bela onde temos as melhores recordações.
Grande beijo

ClickseRabiscos disse...

Que poema lindo Lucia!
Me deu saudades da minha infância minha linda
E tuas frases ficaram ótimas com belas ilustrações
Abraços

Ana Freire disse...

Uma belíssima inspiração... que proporcionou lindas recordações de infância!
E mais um desafio brilhantemente superado!
Beijinhos! Boa semana, Lúcia!
Ana

http://pensandoempoesia.blogspot.com.br disse...

Menina , essa foto onde ordenhas a vaca está hilária...Eu quero ir ai e tomar leite fresco tirado na hora...kkkkkkkkkkkkkkk

Bjs e bom dia querida.

Jaime Portela disse...

A vida campestre tinha mais encanto...
Magnífico poema, gostei imenso.
Bom fim de semana, amiga Lúcia.
Abraço.

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Querida Lúcia, parabéns pela criativa participação, você sempre nos encanta com o que escreve.
Amiga, fica na paz, tenha um final de semana feliz sempre iluminado com a luz Divina. Abraços da amiga Lourdes Duarte

Gracita disse...

Querida Lucia, bom dia!
Tem um miminho para o seu blog neste link
http://koisinhasdiversass.blogspot.com.br/2017/08/mimo-para-amiga-lucia.html
Um gesto de delicadeza para você poetisa que eu tanto admiro
Beijos e uma semana abençoada

Anete disse...

Lucia, desejo que tudo esteja bem com você! Sentindo sua falta na blogosfera...
Bonito poema e participação muito inspirada.
O meu carinho e abraço

Carmen Lúcia.Prazer de Escrever disse...

Linda a sua participação Lucia!
Obrigada pela visita e comentário.
Bjs-Carmen Lúcia.

FILOSOFANDO NA VIDA Profª Lourdes Duarte disse...

Olá amiga!
Minha visita hoje é para lhe trazer um pouco de carinho, deixar meu abraço, me desculpando por não comentar sua maravilhosa postagem. Hoje o reumatismo atacou minha coluna, estou péssima para escrever. Vou seguindo a vida, um dia sorrindo outro dia mais tensa, o importante é estar viva.
Lhe desejo um fim de semana de muita paz, saúde e felicidade. Deixo esse pensamento do Padre Fábio de Melo,
“A vida é fruto da decisão de cada momento. Talvez seja por isso, que a idéia de plantio seja tão reveladora sobre a arte de viver.
Viver é plantar. É atitude de constante semeadura, de deixar cair na terra de nossa existência as mais diversas formas de sementes...”
Abraços, permanece com Deus.

xunandinha disse...

Olá Lucia, adorei ver a vaquinha e o leiteiro sua poesia adorei, beijinhos e bom final da semana

Profª Lourdes disse...

amiga, você é uma grande poetiza, amei a poesia e as fotos! Linda participação, parabéns! Bjuss

Estação cigana disse...

Bom dia Lúcia!
Eita que memória pra lá de boa!
Adorei ter conhecido as vaquinhas de estimação.
Fico muito feliz quando vais a té meus blogs.
Gratidão pelo eu enorme carinho e consideração.
abração com carinho